quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

‘‘NATAL DE PRETO É EM NOVEMBRO... E É ASSIM!’’



  É o que propõe a campanha realizada pelo Coletivo A Coisa Tá Ficando Preta em parceria com a Casa do Boneco de Itacaré, que questiona o poder simbólico capitalista incutido no Natal, quando os interesses meramente econômicos se sobrepõem às reais necessidades da população, principalmente os grupos marginalizados.

 O Coletivo atua há mais de um ano no Sul da Bahia promovendo discussão e disseminação de assuntos como religiosidade, estética, relações de gênero e afirmação identitária, utilizando as linguagens publicitária e audiovisual com uma perspectiva didático-pedagógica para abordar as questões relacionadas à identidade negra e afro-brasileira.

No dia 24 de novembro, semana da consciência negra, foi lançada a campanha ‘‘Natal de preto é em novembro e é assim...’’ trazendo a figura do Mestre Jorge Rasta para tratar de princípios e valores da ancestralidade africana como a oralidade, pertencimento e resistência, além da relação de respeito entre os mais velhos e os mais novos, com a forte presença afrocentrada do bebê Orunmilá. Como um dos objetivos centrais do Coletivo, a campanha também desconstrói a imagem do Papai Noel convencional, o velhinho branco, de barba branca que dá presentes para as crianças que se ‘‘comportam’’.

  Por que tem que ser branco? Por que usar essa roupa? Por que esses valores que nada dialogam com nossa realidade? E as nossas tradições negras, onde ficam? Por esses e outros questionamentos a figura central da campanha é um griô, homem preto de longos cabelos dreads, usando sabadouro branco, batas africanas, tocando tambor e compartilhando dos ensinamentos. Muito diferente do que estamos acostumados a presenciar nas campanhas natalinas, onde a imagem de pessoas negras é raramente apresentada, e quando posta é seguindo um padrão eurocêntrico de beleza e comportamento.


Para nós dos movimentos negros e sociais, dizer que Natal de preto é em novembro significa rememorar e manter viva a imagem de líderes como Zumbi, que lutaram pela libertação do povo negro no Brasil e encorajar os atuais guerreiros e guerreiras através desses referenciais.

  A segunda parte da campanha é lançada na semana em que se comemora o Natal oficial segundo algumas religiões cristãs, período também em que se intensifica a corrida comercial capitalista em busca de grande número de vendas, ressignificando os valores natalinos com único objetivo: o lucro. Assim, a discussão segue na mesma linha de abordagem, dando continuidade à campanha.

  Para saber mais sobre o Coletivo e conhecer também outras campanhas realizadas em 2014 é só acessar a fan page aqui.




''Podem rir mas serei sincero e coeso
Conheci papai noel e fiquei surpreso
Barbona branca, cabelo crespo, pele escura
Ouvindo dingou béu estilo rap, que loucura
Era ele mesmo, gordinho e sorridente
Rodeado de erês e distribuindo presente
O velhinho era real falou do tempo de moleque
Adorava roupa vermelha e curtia baile black
Ao saber que eu cantava na banda simples rap'ortagem
Começou a me falar um monte de viagem:

-se disser que trenó é uma farsa, te incomoda?
Como percebe passo a vida numa cadeira de rodas
Porque tu acha que não atendo todas as crianças?
Mas saiba que sou casado e uso aliança
Eu mesmo não tem filho adivinha porque?
Advinha porque sou militante do glbtt?
Na verdade, eu que fui adotado pela criançada
Mas diferente do que pensam minha condição é limitada
Com preconceito e outros tantos desafios a superar
Eu tô de saco cheio de armas pra lutar

Pra finalizar ele disse que não faz sinal da cruz
E me deu de presente o filme "olhos azuis"
   Perguntei porque sua real identidade não se discute
                                                              Me respondeu: - o que sou não é vitrine pra orkut

                                                        Dingou béu, dingou béu
                                                       Sou black noel
                                                      Que legal, que legal
                                                        Noel black paw''

Música: Papai Noel da diversidade (2008)
Artista: Simples Rap'ortagem