terça-feira, 3 de junho de 2014

Chegaram os kits do Quilombo Incena!



O Quilombo Incena é a convergência de diferentes coletivos que atuam e acreditam na comunicação (nesse caso, o audiovisual) por uma perspectiva comunitária e livre, como a Casa do Boneco de Itacaré que traz uma experiência iniciada em 2011 com o Cine Quilombola, e outros coletivos e organizações, como o Nordeste Livre e Rede Mocambos.

A última edição do Quilombo Incena aconteceu entre os dias 30 de outubro de 3 de novembro de 2013 juntamente com o Fórum Baiano de Cinema Comunitário, na comunidade quilombola Lagoa Santa (Ituberá-BA) com atividades que englobaram discussões, exibições de filmes e oficinas.

O projeto resultou no Kit Quilombo Incena, composto pelo catálogo que traz uma pesquisa sobre a trajetória do cinema negro no Brasil e no mundo; uma lista de 98 filmes nacionais e internacionais com sinopse e endereço para adquiri-los e também uma apresentação detalhada sobre os artistas e cineastas negros, além da coletânea de filmes contendo 4 mídias com os curtas: ‘‘Nosso Lugar’’ (documentário produzido na última edição do projeto), ‘‘Pode me chamar de Nadi’’, ‘‘Vida Maria’’ e ‘‘Malunguinho’’; e os filmes: ‘‘Quilombos da Bahia’’, ‘‘Terra deu, Terra come’’ e ‘‘Encontro com Milton Santos’’.

O lançamento do Kit Quilombo Incena acontecerá dia 08/06 (próximo domingo) na comunidade Lagoa Santa. A distribuição será gratuita, porém temos kits limitados, portanto para adquirir é preciso entrar em contato via institucional com a Casa do Boneco através do e-mail: casadobonecodeitacare@gmail.com.





Mestrado de Say


Casa do Boneco de Itacaré: Gestão do conhecimento e comunidade de prática numa perspectiva de ancestralidade
Esse foi o tema do projeto de pesquisa da mestranda Sayonara Malta sob orientação do professor Fábio Ferreira, do curso Gestão Social e Desenvolvimento – GIAGS/EAUFBA, que aconteceu no dia 28 de março de 2014. Com tema proposto e aprovado, a pesquisadora contou a trajetória e memória ancestral da nossa casa, como modelo de educação reapropriadora das matrizes africanas e indígenas e praticantes de conteúdos reconhecidos como pedagogingas.
Mesa composta por Mestres das Universidades Estadual e Federal da Bahia como as Drª Claudiane Waiandt e Francisca de Paula e a presença do nosso Mestre popular Jorge Rasta, motivo de representação e orgulho para todos da casa, afinal um dos nossos lá dentro, falando de nós para nós e para o mundo!
“...O conceito de comunidade de prática e gestão do conhecimento se apresentou para essa pesquisa como o caminho mais apropriado para dar conta dos processos auto organizativos da população negra que, de modo geral, ocorrem a partir de uma longa trajetória de resistência por sobrevivência física e cultural para resguardar memorias ancestrais. Nesse sentido, o conceito de comunidade de prática escolhido aqui, reflete o interesse em evidenciar nesse estudo, formas organizativas sociais que defendem a solidariedade, o diálogo, o compartilhamento e a experiência interativa, que são elementos muito característicos da cosmovisão africana e quilombola.”