sexta-feira, 22 de agosto de 2008

O Teatro do Oprimido é uma metodologia teatral genuinamente brasileira, sistematizada pelo teatrólogo Augusto Boal, que reúne exercícios, jogos e técnicas teatrais que objetivam a desmecanização física e intelectual de seus praticantes e a democratização do teatro, estabelecendo condições práticas para que o oprimido se aproprie dos meios de produzir teatro e amplie suas possibilidades de expressão, estabelecendo uma comunicação direta, ativa e propositiva entre espectadores e atores.


Novas turmas de Teatro do Oprimido na Bahia!


Novas turmas de Teatro do Oprimido na Bahia.

O curso acontecerá de 26 a 30 de agosto no Sindicato dos Bancários, em Salvador.Participantes do interior do estado terão direito à passagem e hospedagem.Quem tiver interesse deve entrar em contato com GEO BRITTO pelo email geobritto@ctorio. org.br


Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto visa democratizar o acesso a este Método, que pode contribuir decisivamente para o fortalecimento, dinamização, diversificação e ampliação do raio de ação de Pontos de Cultura que desenvolvem ações comunitárias. Na medida do possível, garante-se também a participação de representantes de Grupos Culturais e de Movimentos Sociais. A proposta visa à Capacitação de Multiplicadores do Teatro do Oprimido: dois cursos de capacitação de 40h, acompanhamento às atividades de multiplicação, seminário de avaliação e Mostra de Resultados. As Instituições que aderirem ao projeto devem se comprometer com o processo de Multiplicação, base essencial desta iniciativa do Centro de Teatro do Oprimido e do Ministério da Cultura – Programa Cultura Viva.


Centro de Teatro do Oprimido • CTO • Teatro do Oprimido de Ponto a Ponto

Av. Mem de Sá, 31 – Lapa, Rio de Janeiro, RJ • CEP 20.230-150

+ 55 21 2232-5826 / 2215-0503 • www.ctorio.org.br • ctorio@ctorio.org.br


Ciclo de Capacitações




Na Casa do Boneco está em vigor o Ciclo de capacitações para jovens, atualmente funcionando o Curso Básico de Corte e Costura. Estamos na luta da superação de desafios burocráticos para dar encaminhamentos de outros cursos. A entidade visa garantir a sustentabilidade de um trabalho cultural também a partir de ações que garantam inclusão sócio econômica, numa proposta baseada no conceito de Turismo de Base Comunitária.
Esse é um trabalho resultante de parcerias da Casa do boneco, Ministério do Turismo, Fundação Banco do Brasil e Pangea/ Oikos.